08 novembro 2007

o metro

O que seria de uma grande metrópole sem metro? Não me refiro a questões tão obvias e práticas como transporte e deslocação das massa trabalhadoras, refiro-me a uma questão mais profunda no âmbito social e criativo… não sei se me faço entender. Ponho a questão de um modo diferente, seria possível tanta criatividade, concentração de artistas de todas as áreas numa grande cidade se não houvesse o metro? É que é no metro que tudo acontece. Vêm-se as pessoas mais diversas, houvem-se as histórias mais incriveis, conhecem-se os loucos que o habitam, os sem abrigo, intrigas familiares, actos policiais mais ou menos violentos, a excentricidade ou simplicidade de cada pessoa…um mundo! Através do metro e das zonas por onde passam percebe-se que tipo de bairro servem, quem são os habitantes desses bairros, quais as comunidades mais comuns daquelas zonas…e tudo isto é possivel sem nunca sair do metro. Tudo acontece lá dentro.
Qualquer artista, pintor ou escultor, cineasta ou actor, realizador, escritor ou estilista, músico ou apenas um simples utente do metro que goste de contar histórias no seu blog, tem ali uma verdadeira fonte de inspiração, com a grande vantagem de ser um percurso diário, uns dias com mais para contar outros menos, mas sempre um meio presente.Por isso há dias que digo que adoro o metro, mas também os há que o detesto! Nem sempre tenho pachorra para levar com uma enchurrada de insparação á força!

3 comentários:

Claudette Guevara disse...

tal como este relato!

DMNY disse...

quem não tem metro, tem sempre o café da esquina :)

Sinapse disse...

ora bem, lá inspirada estás tu!

:)