09 maio 2007

stay clear of the closing doors

Numa cidade de oito milhões é possível cruzarmo-nos com as mesmas pessoas mais do que uma vez por dia! Mesmo que elas não sejam a rapariga da caixa registadora do café da esquina, ou aquele senhor que se senta sempre no mesmo banco da carruagem do metro todas as manhas, mesmo que não sejam aqueles que trabalham no mesmo edifício que eu.
Por vezes vejo a mesma cara no mesmo dia em lugares completamente diferentes, em percursos que nem fazem parte da minha rotina.
Também existem aqueles que fazem parte da rotina, claro. Para além de rostos há vozes. As vozes que se repetem ao telefone e que se reconhecem, já falei sobre isto, e há as vozes dos condutores do metro!
Algumas destas vozes já as reconheço, e são gente cheia de personalidade. A eles compete controlar a entrada e saída dos passageiros em cada estação, avisar do fecho das portas "stay clear of the closing doors, please", comunicar paragens temporárias no meio das linhas e justifica-las, "we have a train ahead of us, please be pacient", advertir os passageiros para serem limpos e educados, para não segurarem nas portas, "do no hold doors", para deixarem sair quem está na carruagem antes de empurrar a malta para entrar á força…enfim. E’ tudo muito pessoal e humano. São poucos os metros com máquinas faladoras de vozes monocórdicas.
Pela voz, entoação e disposição se distinguem estes condutores. Eles há bem dispostos, mal humorados e alguns que pensam estar a pilotar um avião…”Ladies and gentlemans, it’s now 8 ‘oclock in the morning, the weather is nice and warm, have a safe day”… só lhe falta dizer a quantas milhas de altitude estamos (abaixo da terra, claro)!

2 comentários:

claudette disse...

:D estes relatos sao engraçados!

Phantom disse...

Ehehe,deve ser giro :o) São as rotinas do dia-a-dia...